Crianças a partir de 2 anos têm menos apetite

Muitos adultos preocupam-se com um possível problema de saúde quando as crianças, em torno dos dois anos de idade, apresentam diminuição do apetite. Será que está doente? Isso é normal?

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o ritmo de crescimento diminui nessa fase da vida, em relação aos 24 meses iniciais. Por isso, existe uma necessidade nutricional menor, o que se traduz em menor apetite.

Fase de transição

Entre os dois e os seis anos de idade, a criança atravessa uma transição entre completa dependência para uma progressiva independência. É um momento de adaptação também para os adultos, que podem tomar atitudes imperativas potencialmente problemáticas.

A SBP alerta sobre pais que tentam obrigar os filhos a comer, o que pode favorecer a obesidade. Além disso, comportamentos coercitivos podem levar a distúrbios alimentares em períodos posteriores.

Amo x odeio

Além do apetite menor, a alimentação das crianças até seis anos é também muito imprevisível, alertam pediatras. Assim, mesmo com apetite menor do que antes, pode haver alta variação na quantidade de alimentação em diferentes períodos.

E não é só na quantidade: a aceitação dos alimentos também varia bastante. Assim, em um dia a comida é a favorita, no outro, recebe “cara feia”.

É preciso que os adultos entendam essas características, de modo a estimular uma alimentação nutritiva e saudável desde o início. Cores, texturas e aromas são bons estimulantes para os pequeninos.

Gosto ou “frescura”?

Na fase dos dois aos seis anos, a criança pode apresentar dois comportamentos bem comuns: neofobia e picky/fussy eating. Na primeira, a criança “não gosta” de tudo o que é novo. Na segunda, a criança não gosta “de nada” e acaba tendo pouca variedade alimentar.

A SBP alerta que os dois comportamentos podem aparecer juntos. Comer muito devagar, brincar ou não se importar com os alimentos e ter comportamentos inadequados à mesa são sinais desses comportamentos.

Mas é preciso lembrar de que outros fatores podem influenciar a criança: logo depois de brincar, ou quando está muito agitada, por exemplo, a criança pode recusar alimentos de imediato. Além disso, no verão é comum ter menos apetite do que no inverno.

Para lidar com a neofobia, a recomendação é que a criança experimente o alimento. Não uma vez, nem duas: de oito a dez, segundo especialistas. Assim, mesmo que seja uma quantidade pequena, é possível conhecer o sabor e saber se gosta ou não.

Quando a criança é “picky/fussy”, é preciso incentivá-la a variar a alimentação. Se a insistência a um determinado alimento é grande, a recomendação é oferecer outro de valor nutricional semelhante, de modo que o gosto pessoal da criança seja respeitado. Mudar o modo de preparo é uma opção para que o alimento apeteça à criança.

Respeito

Pediatras alertam que é importante, na medida do possível, permitir que a criança tenha preferências alimentares, e que possa ingerir a quantidade que seu organismo julga necessária. Isso, aliás, é tido por profissionais como um direito fundamental dos pequenos.

Além disso, há um outro alerta: gostar de doces é inato. Os demais sabores precisam são “gosto adquirido”, mas doces são universais. Por isso, são os adultos que devem impor limites de quantidade e de horários.

A recomendação é de que a criança faça refeições em horários fixos, com intervalos de duas a três horas. Além de respeitar a quantidade que a criança quer comer, é importante também retirar a comida após um período determinado, só voltando a oferecê-la na próxima refeição.

Finalmente, o aspecto psicossocial pode afetar o apetite. Além de cores e texturas, sentir-se parte da família na hora da refeição pode influenciar o apetite da. E mais: a família é modelo de alimentação. Em outras palavras, ver a forma e a escolha dos outros membros da família vai ser estímulo para que a criança desenvolva suas próprias preferências.

Compartilhe :)

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Você já levou o seu pequeno em um pediatra esse ano?

Contato

Entre em contato e
agende uma consulta

Divider

Telefone

Obs: após o envio da sua solicitação nossa equipe entrará em contato para confirmar a disponibilidade do dia e horário pretendido. 

1. Unimed
2. Cabergs
3. Bradesco
4. IPÊ
5. Sul america
6. AFISVEC
7. CALL
8. CAREPLUS
9. COOPERSINOS
10. DOCTOR CLIN – FLEX/MAX
11. ELETROSUL/ELETROBRAS
12. GEAP
13. GOLDEN
14. MEDSERVICE
15. OMINT
16. PETROBRAS
17. SAMEISA
18. SAUDE PAS
19. SUL MED
20. TACCHIMED
21. UNISAUDE

Consultório

Dra Ruschel Pitrez atua como médica pediatra, com experiência clínica, desde 2013. 

É formada pela Universidade Luterana do Brasil e membra fundadora da Liga de Pediatria da Ulbra.

Realizou residência médica em Pediatria na Fundação Hospitalar Getúlio Vargas, passando o segundo ano de residência em período integral no Hospital da Criança Conceição.

É capacitada pelos cursos PALS (Pediatric Advanced Life Support) e Reanimação Neonatal.